.

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Joana D’Arc, um ícone francês


Joana D’Arc, um  ícone francês



Joana D'Arc

Jorge Hessen

Brasília - DF


Estudamos em Leon Denis que Joana D’Arc foi filha de pobres lavradores. Aprendeu a fiar a lã junto com sua mãe e guardava o rebanho de ovelhas. Teve três irmãos e uma irmã. Era analfabeta, pois cedo o trabalho lhe absorveu as horas. A aldeia era bastante afastada e os rumores da guerra demoravam a chegar ao local. Finalmente, um dia, Joana tomou contato com os horrores da guerra, quando as tropas inglesas se aproximaram e toda a família precisou fugir e se esconder.
Aos 12 anos começou a ter visões. Era um dia de verão, ao meio-dia, Joana orava no jardim próximo à sua casa, quando escutou uma voz que lhe dizia para ter confiança no Senhor. [1]A figura que ela divisou, identificou como sendo a do arcanjo São Miguel. Duas mensageiras espirituais a acompanhavam (Catarina e Margarida), “santas” conforme a Igreja que ela frequentava.  Aos 17 anos de idade, Joana, doce e amável, parte para sua missão acompanhada de seu tio Durand Laxart e se apresenta ao comandante, falando da sua missão em nome das vozes que a conduziam, daí em diante surgem grandes obstáculos em sua vida até a libertação da França, quando a virgem de Lorena contava apenas 19 anos.
Logo após o final da guerra Joana é presa pelas forças inglesas e supliciada até a morte na fogueira, condenada como bruxa, feiticeira e herege pela Santa Inquisição. Finalmente, a 30 de maio de 1431, a maior heroína da França é queimada em praça pública. No dia de sua morte, não havia, pois, somente inimigos que a declaravam apóstata, idólatra, impudica, ou amigos fiéis que a veneravam como uma santa. Havia também ingratos que a esqueciam, sem falar dos indiferentes, que não se preocupavam com ela, e gente esperta que se gabava de jamais ter acreditado em sua missão, ou de nela ter pouco acreditado. [2]
Em seu caráter admirável se fundem as qualidades aparentemente mais contraditórias: força e doçura, energia e ternura, previdência, sagacidade, mente viva, engenhosa e penetrante, capaz de, em poucas palavras claras e precisas, resolver as questões mais difíceis e as situações mais ambíguas. Seu ar angelical reflete: ingenuidade e sabedoria, humildade e altivez, ardor viril, angelitude e pureza e, acima de tudo, infinita bondade. Todas as virtudes a adornavam. Ela foi um rastro de luz a iluminar a terrível noite da Idade Média. [3]
Quatro séculos mais tarde, em Paris, O Espírito Joana D’Arc dirigiu e mediunidade da jovem Ermance Dufaux que ainda contava com seus 14 anos de idade quando psicografou a obra “História de Joana D'Arc, ditada por ela própria”. Destaque-se que das 300 obras queimadas em praça pública no Auto de fé de Barcelona, constava alguns volumes dessa obra psicografada por Ermance.
No capítulo XXXI de O livro dos médiuns, vindo a lume no ano de 1861, quando o Codificador reúne Dissertações Espíritas, confere à de Joana D'Arc o número 12, onde ela se dirige aos médiuns, em especial, concitando-os ao exercício do mediunato. Recomenda-lhes, ainda, que confiem em seu anjo guardião e que lutem contra o escolho da mediunidade que é o orgulho. Conselhos que ela, em sua vida terrena , na qualidade de médium, muito bem seguira.
“O Papa Calixto III, em 1456, por uma comissão eclesiástica, fez pronunciar a reabilitação de Joana e foi declarado, por uma sentença solene, que Joana morreu mártir para a defesa de sua religião, de sua pátria e de seu rei. O Papa quis mesmo canonizá-la, mas sua coragem não foi tão longe. [4] A Igreja, arrependida do grave erro cometido pela Inquisição, buscou reabilitá-la e a beatificou em 24 de abril de 1909, na Catedral de São Pedro, no Vaticano, em Roma, com enorme pompa, sob a direção do papa Pio X, diante de mais de 30.000 pessoas presentes. Em 1920 foi canonizada, recebendo o título de “santa”.
Joana d’Arc não é um problema nem um mistério para os espíritas. É um modelo eminente de quase todas as faculdades mediúnicas, cujos efeitos, como uma porção de outros fenômenos, se explicam pelos princípios da doutrina, sem que haja necessidade de lhes buscar a causa no sobrenatural. Ela é a brilhante confirmação do Espiritismo, do qual foi um dos mais eminentes precursores, não por seus ensinamentos, mas pelos fatos, tanto quanto por suas virtudes, que nela denotam um Espírito superior.[5]
“Não há muitos personagens históricos que tenham estado, mais que Joana d’Arc, expostos à contradição dos contemporâneos e da posterioridade. Não há nenhum, entretanto, cuja vida seja mais simples nem melhor conhecida.” [6] Temos que aprender com esses Espíritos a desenvolver em nosso caráter a disciplina, a seriedade e o planejamento organizado, que são virtudes a serem conquistadas por todos os Espíritos que ainda não as possuem, ao longo das reencarnações.

Referências bibliográficas:
[1]           DENIS Leon. Joana D’Arc médium, RJ: Ed. FEB, 1971
[2]           KARDEC, Allan. Revista Espírita, dezembro de 1867,  Jeanne d'Arc e seus comentadores             
[3]           DENIS Leon. Joana D’Arc médium, RJ: Ed. FEB, 1971
[4]           KARDEC, Allan. Revista Espírita, dezembro de 1867,  Jeanne d'Arc e seus comentadores
[5]           Idem  



[6]           Trecho do artigo é extraído do Propegateur de Lille, de 17 de agosto de 1867 e publicado na Revista Espírita 1867 dezembro » Jeanne d'Arc e seus comentadores

sábado, 20 de junho de 2020

É sempre tempo de receber visitas


É sempre tempo de receber visitas
Jane Maiolo

“Pois se nem ainda podeis fazer as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras?”
(LUCAS, capítulo 12, versículo 26.)

Jesus na casa de Marta e Maria é uma passagem que consta nas citações do Evangelho de Lucas no capítulo 10, versículo 38.
Na ocasião Jesus é recepcionado pelas irmãs de Lázaro, o ressuscitado, iniciando um momento prazeroso de conversação, seguido de grandes e preciosos ensinamentos.
Importante a reflexão sobre a ansiedade e as escolhas que fazemos diariamente. Analisar alguns dados sobre o comportamento do homem contemporâneo e os reflexos da vida virtual na nossa saúde.
A temática utilizada por Lucas: Jesus na casa de Marta e Maria, traz também uma indicação sutil de como precisamos desenvolver hábitos saudáveis nos círculos de nossa convivência e como o evangelho meditado, sentido e vivenciado pode lançar luz sobre nossas escolhas.
A figura de Marta simboliza a ação, agitação e o fazer, enquanto Maria simboliza a serenidade, contemplação e a emoção. Marta e Maria representam estados psicológicos do ser humano em constante transformação e oscilação.
Nesse sentido é possível concluir que todos nós temos uma porção de Marta e uma porção de Maria, porém e necessário e urgente desenvolver equilíbrio para viver nossas escolhas de maneira a trazer paz e serenidade para os dias conturbados que vivemos.
Segundo  Jesus, em Lucas, Maria escolheu a boa parte, que não será tirada dela, e nós outros, Martas e Marias, precisamos adquirir o hábito de receber a visita do Sublime Amigo em nossos lares absorvendo assim seus ensinamentos.
O apego aos bens materiais, o corre-corre diário, as doenças psicossomáticas sinalizam a urgência de criar redes de proteção, para nos sentirmos pertencentes ao círculo de afetos e apaziguar nossas agitações e distonias.
É sabido que o comportamento desiquilibrado de inquietação e a agitação impactam a saúde de modo muitas vezes incapacitantes, promovem distúrbios e ou transtornos que necessitarão de um longo prazo para que o tratamento possa surtir os efeitos. Segundo dados da OMS, os transtornos de ansiedade atingem um total de 264 milhões de indivíduos, no mundo.
O que pode ser feito para apaziguar as crises será o atendimento médico especializado, as psicoterapias, as terapias e sem dúvida o atendimento especializado nas casas espíritas, através de palestras, cursos, acolhimento fraternal, atividades assistenciais, o passe e a água fluidificada. Porém, como fazer tais procedimentos e atendimentos se o próprio trabalhador espírita vem sofrendo essas alterações cognitivas e comportamentais?
A ansiedade, percebida nos trabalhadores espíritas, está mais visível quando o comportamento mental está voltado para a antecipação dos acontecimentos futuros, para a preocupação em promover muitos eventos dentre outros, impedindo-os de se plenificarem nas lides doutrinárias espíritas cotidiana e simples.
O transtorno de ansiedade começa quando essa emoção fica desenfreada. O nervosismo paralisa o indivíduo, impedindo-o que realize suas tarefas, atrapalhando os seus compromissos e emperrando sua vida social e espiritual.
Logicamente os tempos apresentados na citação de Lucas eram outros e não exigiam das pessoas tantas atividades sociais, culturais e econômicas, entretanto a lição estampada na citação evangélica lucana é ensinar aos homens, em todas as épocas, a discernir sobre o que é essencial a cada um!
Sermos Maria é apresentar nossas preocupações aos pés de Jesus e confiar que seremos inspirados a tomar nossas melhores escolhas, sermos Marta é equilibrar nossas ações e agir de modo a realizar o bem sem o desânimo e a inquietação, simplificando: “Quem dera ter as mãos de Marta, porém o coração de Maria.”

Referência bibliográfica
1-LUCAS, capítulo 12, versículo 26
 2-LUCAS, capítulo 10, versículo 38

sexta-feira, 19 de junho de 2020

A lição de Jesus fulge como um Sol sem crepúsculo (Jorge Hessen)


A lição de Jesus fulge como um Sol sem crepúsculo (Jorge Hessen)

Jorge Hessen
Brasília - DF


Nos tempo apostólicos, o historiador judeu Flávio Josefo fez pequenina referência a Jesus no livro de sua autoria ”Antiguidades Judaicas”. Vejamos: "Hanan [sumo sacerdote] reúne o Sinedrim [Sinédrio] em conselho judiciário e faz comparecer perante ele o irmão de Jesus cognominado Cristo [Tiago era o nome dele] com alguns outros". Mais adiante, Josefo registra : "Foi naquele tempo [de Pilatos] que apareceu Jesus, homem sábio, se é que, falando dele, podemos usar este termo -- homem. Pois ele fez coisas maravilhosas, e, para os que aceitam a verdade com prazer, foi um mestre. Atraiu a si muitos judeus, e também muitos gregos. Foi ele o Messias esperado (...)"(1)
Tácito, historiador romano (contemporâneo dos apóstolos) igualmente menciona Jesus. "Para destruir o boato (que o acusava do incêndio de Roma), Nero supôs culpados e infringiu tormentos requintadíssimos àqueles cujas abominações os faziam detestar, e a quem a multidão chamava cristãos. Este nome lhes vem de Cristo, que, sob o principado de Tibério, o procurador Pôncio Pilatos entregara ao suplício.” (2)
Ainda topamos com escritor Suetônio contando que o imperador Cláudio "expulsou os judeus de Roma, tornados sob o impulso de Chrestos, uma causa de desordem" e acrescenta: "Os cristãos, espécie de gente dada a uma superstição nova e perigosa, foram destinados ao suplício".(3)  Outro historiador da época  foi Plínio, conhecido como “o Moço”, em carta ao imperador Trajano, pede instrução a respeito dos cristãos, que se reuniam de manhã para cantar louvores a Cristo.(4)  Do mesmo período, trazemos Tertuliano, que escreveu: “Portanto, naqueles dias em que o nome cristão começou a se tornar conhecido no mundo, Tibério, tendo ele mesmo recebido informações sobre a verdade da divindade de Cristo, trouxe a questão perante o Senado, tendo já se decidido a favor de Cristo...”.
Compulsando os supracitados documentos históricos, o pesquisador Reza Aslan escreveu recentemente a obra “Zelota - A vida e a época de Jesus de Nazaré”, descrevendo Jesus como um homem cheio de convicção, paixão e contradições; e aborda as razões por que a Igreja cristã preferiu promover a imagem de Jesus como um mestre espiritual pacífico em vez do revolucionário politicamente conscientizado que foi. A tese central de Aslan é que Jesus não se assumiu como o Messias e Rei de um reino espiritual, mas sim como um revolucionário que visava a tomada do poder temporal dos romanos. (sic)  Para Aslan, Jesus é o mais bem sucedido e carismático dos profetas e messiânicos que em algum momento daquele período se julgaram o Messias, como Ezequias; Simão da Pereia; Judas, o Galileu; Menahem; Simão, filho de Giora; Simão, filho de Kochba, entre outros. (5)
Sob o viés da cultura “espírita”, vem se esguichando ideias exóticas com total  deturpação da fidedigna visão espírita de Jesus. Há estouvados que desejam proscrever Jesus do Espiritismo. Alegam que seria injusto que 2/3 da população da Terra que "nunca" ouviram falar do Messias, ficassem "órfãos" de suas lições. Ledo engano, na verdade, durante milênios Jesus enviou seus emissários para instruir povos, raças e civilizações com conhecimentos e princípios da lei natural. Examinando o trajeto histórico das civilizações, identificamos que em todos os tempos houve missionários, fundadores de Religião, filósofos, Espíritos Superiores que aqui encarnaram com a  autorização de Jesus,  a fim de trazerem novos conhecimentos sobre as Leis Divinas ou Naturais com a finalidade de fazer progredir os habitantes da Terra.
Ou sendo o Jesus “histórico”, ou o “Cristo” da teologia, recordemos que nos tempos áureos do Evangelho o apóstolo Pedro definiu a transcendência de Jesus, revelando que Ele era "o Cristo, o Filho de Deus vivo" (6) . No século XIX o Espírito de Verdade atesta ser Ele "o Condutor e Modelo do Homem" (7). Para Kardec, o célebre pedagogo e gênio de Lyon, o Cristo foi "Espírito superior da ordem mais elevada, Messias, Espírito Puro, Enviado de Deus e, finalmente, Médium de Deus."(8) Não há dúvidas que Jesus foi o Doutrinador Divino e por excelência o "Médico Divino". (9) Por sua vez, Emmanuel o denomina de "Diretor angélico do orbe e Síntese do amor divino". (10)
Amado por uns, odiado por outros, indiferente para muitos, Jesus deixou ensinamentos singelos, contudo profundos. Ele aplicou a filosofia que difundia, desconcertando os inimigos gratuitos, granjeando apoios do povo e confundindo os restantes. O Mestre foi, é e sempre será, inspiração para os majestosos arranjos literários e sobretudo para obras de arte (música, pintura, teatro, escultura, poesia). Mesmo assim, nenhum vocábulo, fórmula poética, artística, filosófica ou qualquer louvor em Sua memória conseguirá traduzir o que Ele representa para cada um de nós.
Ele é o caminho, a verdade e a vida. Nenhum de nós irá ao Criador (imo da própria consciência), senão por Ele. Em todos os milhares de volumes dos mais variados livros ditos sagrados, Jesus resumiu em uma única citação, que abrange toda a sabedoria e cultura terrestres – amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.
Diáfano como um cristal era o Seu caráter – e no entanto, Ele continua sendo o maior enigma de todos os séculos. Para alguns religiosos, é entronizado como uma divindade. O motivo pelo qual alguns consideram Jesus um Semideus, é a sua colossal elevação espiritual. Diante Dele, todos ficamos muito diminutos.
Os mandamentos inesquecíveis de Jesus estão contidos no Sermão do Monte. Nessa belíssima lauda, avaliada por Mahatma Gandhi como a mais pura essência do cristianismo. Gandhi pronunciou que se um cataclismo extinguisse toda a sabedoria humana, com todos os seus livros e bibliotecas, se restasse apenas o Sermão do monte, as gerações futuras teriam nele toda a beleza e sabedoria necessárias para manter a vida.
A coroa e a cruz representaram o desfecho da obra do Mestre, mas o sacrifício na sua exemplificação se constatou diariamente durante sua passagem pelo Orbe.
Anunciando as bem-aventuranças à população no monte, não a desvia para a brutalidade, a fim de assaltar o celeiro dos outros.
Evidenciando as apreensões que o vestiam, diante da renovação do mundo íntimo, não se regozijou em assentar-se no trono dos gabinetes, de onde os generais e os legisladores costumam ditar ordens. Desceu, Ele próprio, ao seio do povo e entendeu-se pessoalmente com os velhos e os doentes, com as mulheres e as crianças.
A Sua lição fulge como um Sol sem crepúsculo, conduzindo a Humanidade ao Porto da paz!
Para a maioria dos teólogos, Ele é objeto de estudo, nas letras do Velho e do Novo Testamento, imprimindo novo rumo às interpretações de fé. Para os filósofos, Ele é o centro de polêmicas e cogitações infindáveis. Para os espíritas ajuizados, Jesus foi, é e será sempre a síntese da Ciência, da Filosofia e da divina Moral (tripé do edifício da Terceira Revelação).

Referências bibliográficas:

1              JOSEFO Flávio. História dos Hebreus, Antiguidades Judaicas, XVIII, III, 3 , apud Suma Católica contra os sem Deus, dirigida por Ivan Kologrivof. Ed José Olympio, RJ: 1939, p. 254, p. 254 (1, pg. 311 e 3)
2              TÁCITO. Anais, XV, 44 apud Suma Católica contra os sem Deus, dirigida por Ivan Kologrivof. Ed José Olympio, RJ: 1939, p. 2541 pg. 311; 3
3              SUETÔNIO. Vida dos doze Césares, n. 25, apud Suma Católica contra os sem Deus, dirigida por Ivan Kologrivof. Ed José Olympio, RJ: 1939, p. 254p. 256-257). (1 pg. 311; 3)
4              (Epist. lib. X, 96)
5              ASLAN Reza.  Zelota A vida e a época de Jesus de Nazaré, SP: Ed. Zahar, 2013
6              Mt 13, 16-17.
7              KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos, RJ: Ed. FEB, 2001, pergunta 625
8              KARDEC, Allan. A Gênese, RJ: Ed. FEB, 1998, XV, item 2
9              XAVIER, Francisco Cândido. Os Mensageiros, ditado pelo Espírito André Luiz, RJ: Ed FEB, 2000, cap. 27)
10            XAVIER, Francisco Cândido. Missionário da Luz, ditado pelo Espírito André Luiz, RJ: Ed FEB 2003, cap. 18





terça-feira, 16 de junho de 2020

Espiritismo Libertador



Vladimir Alexei
Belo Horizonte das Minas Gerais,
13 de junho de 2020


Gostaria de escrever apenas uma frase e que ela fosse de impacto para quem lê, tamanha importância que atribuímos a esse pensamento hoje. Só que não temos a verve da escrita enaltecida e nem a destreza dos escritores para alcançar esse objetivo.

Mesmo assim, ousaremos escrever porque está muito claro para nós e acreditamos que para você também. E é importante que seja assim: transparente. Transparente a ponto de encontrarmos caminhos alternativos para essa situação!

Então vamos lá. Não é nada demais. Realmente nada de novo. Só que, existem frases, ideias e pensamentos que “impactam” em algum momento, criando conexões profundas, por mais óbvias que sejam. Esse pensamento é um dos que, de tão óbvios, nem precisaria ser dito. Entretanto, ousamos mesmo assim em dizer porque é gritante:


- Estudar as obras de Allan Kardec, como temos visto na atualidade da divulgação do espiritismo, sem melhorar o comportamento, sem nos melhorarmos como seres humanos além do que éramos antes de estudarmos as obras de Kardec, não nos torna verdadeiramente espíritas.


Está um show de horrores. Coloque no mesmo “caminhão” as obras “subsidiárias”! Ouvimos em altos brados pela internet companheiros conclamando ao estudo das obras de Kardec, porque sem Kardec não há espiritismo, porém, o espiritismo com Kardec não está transformando o cidadão em um indivíduo melhor. O “exemplo arrasta”. Está faltando exemplo. Já vimos muito em redes sociais que “estamos estudando o espiritismo e isso não tem nada a ver com moral!” Como não?

Basta ver o tanto de gente triste, infeliz, insatisfeita e até doente, muito doente da alma, a ponto de atentarem contra a própria vida e falando de Espiritismo, como se fosse mais uma escola “filosófica” ou “religiosa”!

Todo mundo pode falar de Espiritismo? Essa pergunta deveria ser tão ou mais importante do que essa: “todo mundo pode participar de uma reunião mediúnica”?

Alguns vão se revirar no “túmulo” após essa ousadia, afinal, "qui pensez vous être?" Não está faltando Kardec, está faltando transformação! Sem transformação a gente não entende o que a Doutrina Espírita possui de mais sublime...

O exemplo mais gratificante que tive a respeito de “libertação”, essa semana, veio de um Pastor Evangélico. Esse senhor escreveu em seu Twitter a respeito do aclamado escritor e pastor evangélico “Max Lucado”: “apoiou George Bush na invasão do Iraque. Centenas de milhares morreram. Todos os livros que publicar sobre a graça de Deus não apagarão seu pecado. Morrerá com as mãos sujas de sangue.” 

É forte, mas alguém com consciência desperta, ousou interromper um fluxo violento, apenas fazendo outros refletirem! E nós, no movimento espírita, o que temos feito?

Para nos libertarmos, como Espíritas, precisamos ousar, pensar fora da caixa, analisar, refletir, sentir, errar e acertar, mas principalmente, nos colocarmos como aprendizes. Tem muita gente querendo ensinar espiritismo pela internet, mas no dia-a-dia não são capazes de praticar aquilo que pregam, nem de serem verdadeiramente amorosos, como tentam transparecer.

O que falta então? Um pouco de bom-senso já seria interessante...















segunda-feira, 8 de junho de 2020

A morte não é senão um vocábulo sem nexo (Jorge Hessen)

A morte não é senão um vocábulo sem nexo (Jorge Hessen)


Jorge Hessen
Brasília – DF

Sobrevivendo à retórica dos que afirmam em alta voz que a Covid-19 é uma cilada ideológica, reafirmamos que estamos diante de um novo coronavírus que carrega consigo mais interrogações do que certezas, mormente para as pessoas com fatores de risco. Sou pai de uma filhona especial (não é Down), que é uma pérola preciosíssima para nós. Sei que no mundo inteiro há famílias de milhares de filhos especiais (pessoas com síndrome de Down) que estão vivendo dias de angústia pelos enigmas quanto aos efeitos da Covid-19 nos filhos especiais, além de mudanças drásticas no dia a dia de intensas terapias e ensinos por conta do isolamento social.
É significativa a parcela de pessoas com síndrome de Down que já nasce com comprometimentos no coração, pulmão e sistema imunológico, e que desenvolvem diabetes e obesidade — observando que todas essas condições são fatores de risco para a Covid-19. [1] É verdade! Quaisquer portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensão, asma ou indivíduos acima de 60 anos são os mais propensos a terem complicações fatais.
Um estudo recém-publicado no British Medical Journal (BMJ) traz novos dados sobre os tais grupos de risco do novo coronavírus. De fato, os idosos estão mais suscetíveis às complicações do Sars-Cov-2 por causa de alterações no sistema imunológico naturais da idade. No caso dos males cardíacos, a circulação prejudicada e a debilidade dos pulmões parecem favorecer a agressividade da infecção. Asma, enfermidades hematológicas, doença renal crônica, imunodepressão (provocada pelo tratamento de condições autoimunes, como o lúpus, ou câncer) e obesidade também estão ligadas às mortes. [2] Todavia, o curioso é que um estudo inédito realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que mais de 80 milhões de adultos brasileiros estão no grupo de risco para a Covid-19. Aqui em Brasília, “o número alcança 49,2% da população, o equivalente a 1.136.833 pessoas.” [3]
A grande maioria (84,5%) dos médicos brasileiros considera que o Brasil ainda não atravessou a pior onda do novo coronavírus, como mostra a segunda pesquisa da APM (Associação Paulista de Medicina). Foram entrevistados 2.808 profissionais de todo o país, das redes pública e privada, entre os dias 15 e 25 de maio [de 2020]. Eles responderam a questionário estruturado online, na plataforma Survey Monkey. A grande maioria (75,3%) considera o isolamento social importante, mesmo com as perdas financeiras advindas dele, pois 85,2% relatam queda de renda em razão da pandemia. Cerca de 79,3% dos médicos da linha de frente seguem apreensivos, pessimistas, deprimidos, insatisfeitos e revoltados. Entre os profissionais da linha de frente, 33,7% tiveram pacientes que morreram em razão da doença. [4]
Dos diferentes debates, todos são unânimes em afirmar que há três coisas para serem praticadas nesta pandemia: o isolamento social, a solidariedade e os testes diagnósticos. Sem solidariedade, não tem isolamento. Sem teste, não adianta fazer isolamento. As pessoas um dia vão ter que sair de casa e, quando saírem, podem se contaminar. Será que a fé espírita pode ser um antídoto contra a Covid-19?
Cremos que o conhecimento espírita propicia uma força moral que é capaz de nos preservar de muitas doenças, até porque, para o espírita convicto, não deve haver esse temor da morte. Na devastadora pandemia da cólera do século XIX, Allan Kardec expressamente registra que devemos seguir as medidas sanitárias.[5] 
A calma deve ser exercitada, dominada, a fim de que possamos aproveitar o período de isolamento social imposto pelas circunstâncias da pandemia, na busca da meditação, daquela infrequente viagem interior e do conhecimento de si mesmo, auxiliando na conquista da paz interior. A oração será recurso primordial por nos manter conectados com Deus e com as forças superiores mantenedoras da vida. É urgente darmos a devida importância da higiene para evitar contaminações.
É mister evitar o medo, que é pior do que o próprio mal pandêmico. E não ignorarmos os primeiros sintomas da doença, que recomendarão medidas específicas. Em 1868, Kardec publicou na RE que “(...) é apavorante pensar em perigos dessa natureza [pandemia], mas, pelo fato de serem necessários (…), é preferível, em vez de esperá-los tremendo, preparar-se para enfrentá-los sem medo, sejam quais forem os seus resultados. Preparai-vos, pois, para tudo, e sejam quais forem a hora e a natureza do perigo, compenetrai-vos desta verdade: A morte não é senão uma palavra vã e não há nenhum sofrimento que as forças humanas não possam dominar.” [6]
Referências bibliográficas:
1              Disponível  em https://www.bbc.com/portuguese/geral-52627581)  acesso 21/05/20
2              Disponível em https://saude.abril.com.br/medicina/coronavirus-novos-dados-sobre-grupos-de-risco/ acesso 23/05/20
4              Disponível em https://br.yahoo.com/noticias/m%C3%A9dicos-consideram-que-o-pior-154500848.html  em 06 de junho de 2020
5              KARDEC, Allan. Revista Espírita, novembro de 1865, RJ: Ed Feb 1990
6              KARDEC, Allan. Revista Espírita, novembro de 1868, RJ: Ed Feb 1990 - mensagem mediúnica recebida na Sociedade de Paris, em 16 de outubro de 1868, sobre a “Epidemia na Ilha Maurícia”


segunda-feira, 1 de junho de 2020

Para os mexeriqueiros de plantão (Jorge Hessen)


Para os mexeriqueiros de plantão (Jorge Hessen)



Jorge Hessen
Brasília - DF


Tiago anota em sua epístola “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, fala mal da lei e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz.”[1] Ora, o fuxico espera a boa-fé para turvar-­lhe as águas e inutilizar­-lhe esforços justos. O mal não merece o laurel dos avisos sérios. Atribuir­-lhe muita importância nas atividades verbais é alagar-lhe a esfera de atuação.
Emmanuel adverte que “falar mal” será render homenagem aos instintos inferiores e renunciar ao título de cooperador de Deus para ser crítico de suas obras. A maledicência é um tóxico sutil que pode conduzir o discípulo a imensos disparates. Quem sorva semelhante veneno é, acima de tudo, servo da tolice, mas sabemos, igualmente, que muitos desses tolos estão a um passo de grandes desventuras íntimas. [2]
Quando se fala mal de algo ou de alguém para um cúmplice e este concorda com o que é dito, ambos por autoengano sentem-se “melhores” e “avigorados”, pois ambos legitimam aquele sentimento ruim, e faz com que “percebam” mais força, e ganhem uma imensa “autoconfiança” para o mal. O filósofo Platão admoestou: “Calarei os maldizentes continuando a viver bem; eis o melhor uso que podemos fazer da maledicência” [3].
Amaldiçoada e destrutiva é a palavra na boca de quem alista falhas do próximo; tóxico perigoso é a demonstração condenatória a escoar nos beiços de quem fuxica; barro podre, exalando enxofre, é a oscilação desafinada das cordas vocais de quem recrimina; braseiro tenebroso, escondendo a verdade, é a intriga destrutiva. "Ai do mundo por causa dos escândalos, porque é necessário que venham os escândalos, mas, ai daquele homem porque venham os escândalos.”. [4]
Quem se afirme espírita não pode esquecer que os críticos do comportamento alheio acabam, quase sempre, praticando as mesmas ações recriminadas. Deploramos o clima de invigilância admitida pelas aventuras do entusiasmo desapiedado dos caluniadores, com suas mentes doentias, sempre às voltas com a emissão ardente da fofoca generalizada. Confrades que ficam “felizes” ante as dificuldades e eventuais deslizes do próximo. Assestam a volúpia do fuxico, com acusações infames sobre fatos que ignoram, sempre em direção às aflições e lutas íntimas de pessoas que tentam se erguer de algum desacerto na caminhada.
Aos mexeriqueiros malévolos e viciados críticos dos erros de conduta do próximo recomendamos a seguinte reflexão: na viagem de mil quilômetros, como dizia Chico Xavier, não nos podemos considerar vitoriosos senão depois de chegarmos à meta almejada, porque nos dez últimos metros, a ponte que nos liga ao ponto de segurança pode estar caída e não atingiremos o local para onde nos dirigimos.
Finalmente, não esqueçamos que a palavra constrói ou destrói facilmente e, em segundos, estabelece, por vezes, resultados gravíssimos para séculos.

Referências bibliográficas:
[1]          Tiago, 4: 11)
[2]          XAVIER , Francisco Cândido. Fonte Viva , ditado pelo Espirito Emmanuel, RJ: Ed FEB 1990
[3]          Platão , disponível em http://pensador.uol.com.br/autor/platao/ a cessado em 6/5/2013
[4]          Mateus 18:7

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Infodemia: a pandemia de desinformação


Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas. Se acharmos que ela faz sentido para nós e pode ajudar o próximo, tratamos de encaminhar imediatamente para nossas redes de contato e, assim, a informação se dissemina (em uma velocidade absurda), seja ela verdadeira ou não. Realmente, não pensamos nas consequências disso, afinal, é só uma mensagem sobre um assunto polêmico ou que vai alimentar ainda mais uma discussão interessante, não é mesmo? Não é bem assim.

O termo “infodemia” significa epidemia de informações falsas. As pesquisadoras Emma Spiro e Kate Starbird, da Universidade de Washington (Seattle/EUA), estão investigando como a desinformação está se espalhando durante a pandemia da Covid-19 e como os conhecimentos científicos influenciam as percepções públicas.

O coronavírus, por exemplo, já foi tratado como arma biológica produzida em laboratório, já foi uma conspiração dos mais ricos do planeta para alterar os valores de compra e venda de ações, já veio do morcego, do pangolim, já foi culpa dos chineses, dos italianos, já foi letal e agora não é mais — até atribuíram ao Papa Francisco a culpa pela disseminação desse vírus quando ele deu um tapa na mão de uma asiática. Brincadeiras à parte, tudo isso aconteceu em apenas dois meses, e isso nos revela um vírus não apenas como o causador de uma doença, mas como uma verdadeira arma de guerra de informações.

Essas incertezas nos trazem ainda mais angústia e ansiedade. No caso do coronavírus, as situações apresentadas no início da pandemia, por exemplo, levaram a desencontros de atitudes e ações entre os diferentes líderes mundiais. Até agora, não sabemos exatamente qual o grau de perigo em abandonar a quarentena para reacender a economia. Estamos entre a cruz e a espada.

Então, como podemos minimizar essa situação?

Primeiramente, refletir criticamente sobre a informação e, sempre que possível, checar a sua veracidade. Você também pode avaliar qual o grau de contribuição que aquela informação terá na vida das pessoas que você pretende compartilhar, ou seja, será que elas já sabem aquilo? É algo novo e que realmente trará algum benefício? Por fim, ter bom senso! Afinal, o que mais precisamos nesse momento são união e solidariedade.


Rodrigo Silva é biólogo, doutor em Ciências e coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter