.

sábado, 9 de março de 2013

Fatalidade


Luiz Carlos Formiga


Luiz C. Formiga
Palavras-chave: AIDS, transfusão, amor, instrução, Medicina Laboratorial, carnaval, culpa, dano e dor.

A notícia no link abaixo (1) informa que: “uma garota de 12 anos e uma transfusão de sangue com o vírus HIV foram motivo de escândalo na Arábia Saudita. Reham al-Hakami sofre de anemia falciforme, fazendo transfusões de sangue para controlar sua doença.  Horas depois da transfusão, os médicos do hospital se deram conta do erro e foram informar aos pais o que tinha acontecido. Vários foram demitidos e tiveram suas licenças cassadas. A família agora entrou com uma ação judicial contra as autoridades de saúde, pedindo uma indenização de US$ 13 milhões.
O Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas estima que 78,4% das vítimas sauditas contraíram a doença via relações sexuais, e que 21,6% das vítimas foram infectados durante transfusões de sangue contaminado ou no compartilhamento de seringas. Quase 80% das vítimas estão na faixa etária dos 15 aos 49 anos.

Muitas mulheres sauditas são infectadas pelos maridos, que levam o HIV para casa depois de viajar para Beirute e Bangcoc e visitar prostitutas por lá.

Nessa luta global contra a AIDS, governos deviam se dar conta que é impossível vigiar e controlar a vida sexual dos seus cidadãos. O que pode ser feito é falar sobre a doença e como ela é transmitida; ensinar meios de evitar a contaminação — cujo método principal tem sido o uso de camisinhas — e combater a discriminação contra pessoas portadoras da doença.

Outro link (2) nos informa que: JR é hemofílico. Contundiu-se em um jogo de futebol. Pai analfabeto, desempregado (como outros 16 milhões de brasileiros) não tem recursos para a medicação indicada. JR foi ao hemocentro que atende hemofílicos. O longo tempo de internamento deixou-o nervoso.

O estresse prejudica o processo de coagulação. JR piorou, a ponto de sangrar em vários pontos do corpo. Os cuidados de enfermagem tiveram que ser constantes.

JR também está infectado pelo vírus da AIDS. Isolado, sozinho e com saudades passou a ter comportamento difícil, recusando a medicação, grita com médicos e enfermeiras. Tornou-se problema. No entanto, JR não é um paciente problema. É uma criança que está sofrendo, que quer levar uma vida normal, ir para casa e brincar. JR não sabe que tem AIDS. Seu estado emocional não permite que seja informado. Se ele não entende por que tem hemofilia, como explicar-lhe por que tem AIDS? JR tem apenas 11 anos." 

Estes dois exemplos apontam para a importância do amor e da instrução, da prudência, da diligência e da perícia, não apenas para os espíritas que são profissionais de saúde. Usando razão e sentimento, compreendem a importância da vida na Terra para a evolução do espírito. Recentemente, ficamos pasmos diante da menina que recebeu por via venosa vaselina líquida no lugar da solução salina isotônica. Que prova-provação difícil para a mãe ver a filha agonizando e pedindo para que não a deixasse morrer!
Para o Conselho de Enfermagem a semelhança entre os frascos de vaselina líquida, que foi colocada no lugar do soro não justifica erro. (3, 4)

Acabou o carnaval. Há medo diante da medicina laboratorial. O resultado pode diagnosticar a imprudência, negligência ou imperícia, durante as festas onde a “carne nada vale”. A droga e a compulsão não escutam advertências: “cuidado no carnaval, pois a epidemia não acabou”. (5, 6)

Divulgando prevenção, fica um pedido/recado, usando letra de Nando Reis: “Marvin, agora é só você... a vida é pra valer, eu fiz o meu melhor...” (7) 


Referências:


(1) http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?cod_post=488958&ch=n

(2) http://www.recantodasletras.com.br/mensagensdeamor/1946681

(3) http://www.espiritualidades.com.br/Artigos/F_autores/FORMIGA_Luiz_tit_Dano_e_dor_sem_nome.htm

(4) http://memoriaespiritual.blogspot.com.br/2010/12/dano-e-dor-sem-nome.html

(5) http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2013/01/cuidado-no-carnaval-epidemia-nao-acabou.html

(6) http://visaoespiritabr.com.br/reencarnacao/cuidado-no-carnaval-a-epidemia-nao-acabou

(7) http://letras.mus.br/nando-reis/96677/

1 Comentários:

  • Parabenizo o amigo Formiga pelo empenho e dedicação para manter a população bem informada e atuar no bom combate com artigos com conteúdo e bem elaborados.
    Marcos Fonseca

    Por Blogger Marcao, às 9 de março de 2013 17:04  

Postar um comentário

<< Home