.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Convites irresistíveis


Luiz Carlos Formiga
Palavra-chave: “je suis Charlie”, pacifismo, impunidade

O pacifismo, como um meio para um fim nobre é um convite irresistível. No Sermão da Montanha: “Ouviste o que foi dito: olho por olho e dente por dente; Eu, porém, te digo que não resistas ao mau; mas se alguém te bater na tua face direita, oferece-lhe também a outra”. 

Constantino (1) diz que o jornalista Orwell expressou sua opinião resumida sobre os métodos políticos de Gandhi, dizendo que ele jamais lidou com um poder totalitarista. Lidava com um despotismo antiquado e um tanto vacilante, que o tratava de um modo razoavelmente cavalheiresco e lhe permitia a cada passo invocar a opinião pública mundial. Se Gandhi obteve algum sucesso, isso se deveu ao fato de ter do outro lado a Inglaterra. Gandhi seria apenas um mártir, se fosse um Stalin. Seria mais um cadáver perdido numa pilha incontável. Dalai Lama adotou postura similar e nunca impediu que o povo tibetano fosse dizimado pelos chineses.

Picasso, simpático ao comunismo, criou uma litografia para o cartaz do Congresso Mundial da Paz em Paris, que eternizou a pomba como símbolo dos pacifistas. O evento era financiado pelos assassinos de Moscou. Picasso chegou a ser agraciado com o Prêmio Lênin da Paz. Encontrar Lênin e paz na mesma expressão é uma contradição, diz Constantino (1). O mesmo autor continua: “os comunistas sempre fizeram muita propaganda pela paz, enquanto, na prática, foram sempre seus maiores inimigos.” Tentavam monopolizar os fins para não terem que debater os meios. Foi assim que os comunistas franceses exortaram os soldados a abandonar seus postos poucas semanas antes de Hitler invadir a França. Oferecer a outra face para alguém como Hitler é o caminho certo para a destruição. Os criminosos agradecem. Olho por olho, e a humanidade acabará cega. Olho por rosas, e somente uma parte da humanidade acabará cega: a parte boa. (1)

Também temos torres gêmeas e religiosos intolerantes (2)

Pessoas induziram-me a ler o Manifesto Comunista. Gostei mais do Manifesto do Sermão da Montanha. Na época vivenciava ambiente conflitante como acadêmico da UEG (UERJ) e como Aspirante a Oficial da Reserva do Exército. (3)

Ainda hoje nota-se que muitos seguem os passos de Gandhi. Mas, basta dar carinho que os psicopatas assassinos se tornarão bons samaritanos?

A impunidade permanece e o convite ao crime fica irresistível, para os delinquentes. Assim, os filhos de Gandhi saem às ruas com suas camisetas brancas na cruzada pela paz, já que cruzadas costumam valer mais pelo sentimento de bem-estar que incutem nos seguidores do que pelos resultados práticos concretos. (1)

A mente humana pode passar por estados mórbidos. Neurose e Psicose são distintas primariamente por intensidade de desarranjo.

Neurose é um distúrbio emocional da personalidade. Conduz a estilo de vida desajustado. O neurótico acha que ele deve lutar antes de cooperar e, por isso, é fortemente competitivo (ainda que não pareça). Neurose corresponde em trabalhos espíritas à perturbação. Nela o raciocínio é normal. Parece desviado porque usa bases falsas. O mecanismo de pensar está intacto. Existe o senso da realidade e a vida social é possível.

Na psicose a desorganização é muito mais avançada. O senso da realidade e a vida social mostram-se nulos ou quase. Não pode responder pelo que faz.

Existe outro fator quase sempre presente que é a obsessão, um constrangimento que se sente, graças à presença perturbadora de um ser espiritual. Ela possui três graus distintos: a. obsessão simples (resfriado emocional); b. quando se agrava - obsessão por fascinação; c. quando há perda do senso e do equilíbrio - obsessão por subjugação. (4)



Ainda na mesma reportagem, Nunes afirma que no Brasil, Estado Democrático de Direito, o governo não enxerga ─ ou não quer enxergar ─ as dimensões perturbadoras do ataque sofrido pelo semanário satírico francês Charlie Hebdo. Foi a mais chocante operação terrorista registrada no planeta desde 11 de setembro de 2001, quando aviões derrubaram as Torres Gêmeas em Nova York. Foi a mais insolente ação do gênero ocorrida na França depois da Segunda Guerra Mundial. Foi o mais selvagem desafio à liberdade de expressão e outros valores democráticos que alicerçam a civilização ocidental.

Você acha possível regenerar psicopatas com meia dúzia de diálogos amáveis e muito carinho?

Você acha normal que jornalistas brasileiros lutem pelo fim da liberdade de imprensa e pela implantação da censura, sempre encoberta por codinomes bisonhos como “controle social da mídia”, “regulação dos meios de comunicação” ou “democratização da mídia”? (6)

Será que brasileiros usarão armas de fogo e não apenas a TV?

Comparando brasileiros com os matadores de cartunistas o mesmo jornalista (6) diz que os primeiros não aceitam ser recompensados apenas depois da chegada ao paraíso, com a posse de uma das 11 mil virgens. Eles preferem receber o pagamento neste mundo, de preferência em dinheiro vivo, para materializar o sonho do poder perpétuo e absoluto.

Para o espírita, Jesus é Modelo e Guia. Partindo da Ética Cristã chegamos à Ética Espírita. Imagine lidar com os encarnados e desencarnados psicóticos e com obsessão, do nível “b” e “c” ? (7)

Olhando os graus de complexidade no domínio cognitivo concluímos que o verbo aplicar (pense no texto “sagrado”) é mais complexo do que a memorizar e compreender. Daí a longa distância entre prática e teoria. Emmanuel/Chico Xavier lembra que o Espiritismo pode ser visto, ouvido, estudado, discutido, interpretado, propagado, sistematizado, observado, meditado e sentido. No entanto, somente aplicado é libertação.

Na prática, o que é oferecer a outra face?

Você está usando um mecanismo de defesa quando culpa as vítimas por tudo que ocorreu (8).


1 Comentários:

  • “Esse artigo me fez lembrar uma mensagem de Emannuel no Livro Fonte Viva – Cap. 42 – Por um Pouco, onde ele comenta a passagem de Paulo: ““ Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado.” (Hebreus 11.25).
    Quantas vezes “por um pouco” nos deixamos levar pelos convites “irresistíveis” e se lembrássemos da brevidade dos nossos dias na Terra encontraríamos forças para resistir e seguir as orientações de nosso Mestre e desfrutar das realizações espirituais.
    Marcos Fonseca

    Por Blogger Marcao, às 30 de janeiro de 2015 03:40  

Postar um comentário

<< Home