.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Cisco de Francisco

Luiz Carlos Formiga

“Se somente amardes os que vos amam que recompensa tereis disso?”
Luiz Carlos D. Formiga


A palavra cisco pode ser definida como pó, miudezas de carvão. Sendo a morte hereditária, a vida do espírito reencarnado na Terra é menos que um cisco, comparada à eternidade da alma imortal.
 “Desencarnação Processo de Transição” (1) explica que a morte é a cessação da vida orgânica e que a desencarnação é a libertação do Espírito. Não é a partida do Espírito imortal que causa a morte do corpo, uma vez que é exatamente essa que determina a sua partida, para outro plano.
 As drogas, incluindo o álcool, aprisionam o homem, tornando-o dependente. Libertar-se delas equivale, ainda na Terra, a verdadeiro renascimento. Também aqui, alguns não se libertam com facilidade, porque ainda psiquicamente acorrentados aos prazeres da carne, assim como o espírito nem sempre está em condições de deixar o corpo na morte biológica. Disse um suicida, na reunião mediúnica: “não estou morto, no entanto sinto os vermes a me roerem”.  Provavelmente a vida deste espírito na Terra estivesse fortemente ligada a valores materiais, carência de fé e ausência de Deus.
Em julho de 2013, em visita ao hospital São Francisco de Assis no Rio de Janeiro, outro Francisco tocou no problema das drogas:  "é necessário enfrentar os problemas que estão na raiz do uso". Apelou para que as pessoas se esforcem para construir um mundo mais justo e solidário: “sempre se pode colocar mais água no feijão”.
 Francisco, o papa, disse ainda:  “na sociedade atual prevalece o egoísmo. O tráfico de drogas semeia a morte. O ter, o dinheiro, o poder, podem gerar um momento de embriaguez, a ilusão de ser feliz, mas, no fim de contas, são eles que nos possuem e nos levam a querer ter sempre mais, a nunca estar saciados”.
“Coloque Cristo na sua vida, deposite nele a sua confiança e você nunca se decepcionará".
O espírito André Luiz, pelo médium Francisco, diz: “a vida física é uma escola abençoada, mas se você não se aproveitar dela a fim de aprender suficientemente lições que se destinam ao seu engrandecimento espiritual, em nada lhe valerá o ingresso no aprendizado humano.” (2)
As drogas, como o álcool, não são boas opções, pois podem nos conduzir desde a morte violenta até ao suicídio inconsciente. O próprio espírito André Luiz passou por essa experiência dolorosa. Hoje nos elucida  “que o caminho do bem é laborioso e difícil. No entanto, se você não se dispuser a segui-lo, ninguém o livrará da perigosa influência do mal.
 A compaixão se apodera de nós quando ouvimos relatos semelhantes ao da reunião mediúnica acima referida e acreditamos ser fundamental divulgar a conclusão do livro Agenda Cristã. Nela, André Luiz diz que “ a felicidade eterna incontestavelmente é realização superior, fora dos quadros transitórios da carne, no entanto se você deseja perseverar no campo dos prazeres fáceis e inferiores das esferas mais baixas, dentro delas perambulará, indefinidamente.”
Aprendemos, com Kardec, que a condição de espírito incrédulo reencarnado, distante de Deus, pode ser uma dura expiação (3). Toda expiação é construção pessoal e intransferível, uma vez que somos arquitetos do próprio destino quando fazemos escolhas e tomamos decisões. Mas, se Deus desejasse a dor, não teríamos a anestesia. Cabe-nos optar pela solidariedade, procurando aplacar sofrimentos e também procurar evitá-los. Uma boa oportunidade aproveitou o espírito André Luiz, quando nos deixou esses esclarecimentos. Diz ele que Deus está  conosco em todas as circunstâncias; todavia, se não estivermos com Ele, ninguém pode prever até onde, como espírito, desceremos  aos domínios da intranquilidade e da sombra.
O Centro Espírita Jacques Chulam, em 2013, criou uma nova equipe para estudos semanais das dependências humanas (4). No mês, são quatro dias para estudar e discutir cada um dos 12 passos dos Alcoólicos Anônimos. Buscar-se-á compreender como a aplicação dos 12 passos pode ajudar na superação da dependência, num ambiente de interação com postulados da Doutrina Espírita.
Estamos também procurando refletir sobre o melhor modo de adequar o funcionamento, por longo prazo. Enumeramos, ainda que de forma imperfeita, doze lembretes, são “ passos” nesse sentido:
1. Organizar uma estrutura de poder coerente com a busca espiritual; 2. Acreditar que a força de uma Instituição está na clareza e na nobreza de suas metas; na eficiência dos seus métodos; na intensidade do seu trabalho e na confiança recíproca dos seus membros; 3. Procurar usar a ciência e a arte de formar cidadãos conscientes, saudáveis e equilibrados nos seus atos pessoais e sociais;  4. Privilegiar o poder solidário. Aquele que se organiza para facilitar a ajuda mútua;  5. Exercitar a capacidade do trabalho em equipe, procurando se motivar para objetivos e metas do grupo; 6. Desenvolver a inteligência espiritual; 7. Libertar-se da ilusão de possuir grande saber e da infalibilidade; 8. Perseverar mantendo foco no objetivo da missão pessoal, lembrando que Jesus lecionou no sentido do atemporal e ilimitado; 9. Assumir a postura de parceiro, voltado para a formação de novos líderes; 10. Procurar lembrar que “autoridade” é crédito de competência, oferecido a quem o merece por direito; 11. Constituir um grupo de trabalho onde a unidade se dê em torno do objetivo comum, onde cada um seja estimulado no seu potencial e nunca se coloque superior ao grupo; 12. Iluminar o conceito de democracia com conhecimento, trabalho e intenção solidária.
Doze também são passos trilhados por Francisco Cândido  Xavier, homem de bem,  cidadão consciente e equilibrado que teve Jesus como modelo (5).
Ressaltamos de sua personalidade a permanente solidariedade, a capacidade de autocrítica. Quando comparado a espíritos de grande envergadura demonstrava sua verdadeira humildade, dizendo que se sentia diante deles como um cisco. Brasileiros  o indicaram ao Prêmio Nobel da Paz.
 Outro exemplo de solidariedade é a Irmandade dos Alcoólicos Anônimos que recebeu merecido prêmio (6). Ensina a vencer a adversidade ao admitir a existência de uma inteligência suprema. A pessoa, na Irmandade, passa a adquirir uma força interna capaz de ajudá-la a se transformar e se restabelecer.
Em 1950 e 1967, reconhecendo a excepcional contribuição dos Alcoólicos Anônimos à humanidade, a Ordem dos Padres Franciscanos outorgou-lhes seu Prêmio Franciscano. Um incentivo a que todos permaneçam, sem cansaço, neste exercício de transformação pessoal e solidariedade.
Em 1950, Bill disse que São Francisco de Assis tinha feito muito por ele e pelos Alcoólicos Anônimos. Francisco e Clara de Assis cultivavam três paixões ao longo de toda a vida: a paixão pelo Jesus pobre, pelos pobres e a de um pelo outro (8,9)
Quando estivermos com Deus e com Jesus poderemos começar a ver a luz da felicidade que desfrutaremos mais adiante. O passo inicial pode parecer um cisco, mas o necessário e suficiente para sairmos lá do fundo do poço.
(2) Livro Agenda Cristã. André Luiz/Chico Xavier

1 Comentários:

  • Desejo honestamente que o Papa Francisco consiga resgatar a Boa Nova dentro do Catolicismo e servir de exemplo para seus seguidores. Pois o outro Francisco.
    O Candido Xavier (Chico Xavier) conseguiu cumprir sua missão, dando a sua contribuição para que o Espiritismo prossiga divulgando o Evangelho na sua pureza e de forma clara e sem preconceito como ensinou o Mestre Jesus. Vale ressaltar que o Chico conseguiu tudo isso, gradativamente com o trabalho no bem e conquistou uma Liderança Natural, pois no Movimento Espírita não ocupou nenhuma função, mesmo porque no Espiritismo não existe hierarquia de poder, apenas se organiza de forma a orientar o Movimento Espírita.
    Resumindo, que o Papa Francisco consiga exemplificar o evangelho ensinado por Jesus, sem as modificações de interesse material ocorridas no decorrer dos séculos.
    Marcos Fonseca

    Por Blogger Marcao, às 27 de julho de 2013 05:04  

Postar um comentário

<< Home