.

terça-feira, 28 de junho de 2016

CONFUSÃO DOUTRINÁRIA


Fernando Rosemberg

É sabido que meus prezados confrades: Hessen, Passini, Kuhl, e muitos outros, vem recebendo constantes e.mail’s relativos à ideia de que Chico Xavier seria a reencarnação de Allan Kardec. Ideia esta, aliás, refutada pelos referidos confrades citados; e o que deve, obviamente, serem respeitados como efeito da Liberdade de Consciência, ou, do Livre Arbítrio, ou, ainda, como Livres Pensadores que são; como todos nós, filhos do Altíssimo, igualmente o somos.

Ainda hoje mesmo (27/06/2016) recebo mais um de tais e.mail’s, e, no meu caso, em particular, não me importo muito, pois respeito a já referida Liberdade de Consciência, transferida para a Liberdade de Expressão.

E o fato é que, neste último e.mail, mais uma vez, Inácio/Baccelli, repetem a dose e aludem, mais ainda, que Chico/Kardec fora, mais distante ainda: João Evangelista, ou seja: um Espírito que, ao tempo da Codificação, estivera sendo recepcionado por determinada médium, a Srta. J, e que, por sinal, fora também recepcionado por Kardec por meio de uma outra médium, a Sra. Costel, como se pode ver na transcrição abaixo:

“Fato pessoal ocorrido com o Sr. Allan Kardec, e que pode ser considerado uma prova de identidade do Espírito de antigo personagem. A Srta. J... recebeu várias comunicações de João Evangelista, sempre com uma caligrafia muito característica e completamente diversa da sua escrita habitual. Tendo o Sr. Allan Kardec, a seu pedido, evocado aquele Espírito, por intermédio da Sra. Costel, verificou-se que a caligrafia tinha absolutamente o mesmo caráter da da Srta. J..., embora a nova médium dela não tivesse conhecimento; ademais, o movimento da mão tinha uma delicadeza inabitual, o que constituía, ainda, uma similitude; enfim, as respostas concordavam em todos os pontos com as que tinham sido dadas através da Srta. J... e na linguagem nada havia que não estivesse à altura do Espírito evocado”. (Vide: “RE” – Janeiro de 1861 – AK – Edicel).

Porém, tenho comigo uma obra do respeitoso filho adotivo de Chico Xavier: Euripedes Higino, que estivera com o mesmo durante 40 anos; seu título: “Chico Xavier: Apostolo do Brasil” (Editora Espírita Ano Luz); sendo que, em tal livro, temos a confirmação de que Chico/Kardec fora, naqueles tempos mais distantes, não João Evangelista, e sim: João Batista; o que muito confunde a mente do atento Leitor, inclusive de nossos neófitos.

Assim, pois, a confusão se estabelece em nosso meio, pois que há até mesmo um site que divulga cerca de vinte ou trinta - não sei ao certo - reencarnações do nosso saudoso e querido Chico Xavier, que, aliás, ele próprio, deverá estar confuso com esta questão.

Acredito, pois, que nosso meb (movimento espírita brasileiro) nunca necessitou de tantas e de tão boas vibrações psíquicas, ou seja, de orações mesmo, bem como de bom senso no tocante a tais questões que, a meu ver, são desimportantes, pois o que vale mesmo, do Kardec e do Chico, são suas importantes obras para um Mundo terreno tão necessitado de tais luzes que, afinal, são a Verdade Cristalina do Evangelho Redentor.

NO MAIS UM GRANDE E FORTE ABRAÇO A TODOS:
Fernando Rosemberg Patrocinio

Blog: - filosofia do infinito -, ou, eletronicamente:



0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home