.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

ESPIRITISMO E FILOSOFIA

Fernando Rosemberg

Sabe-se que o Espiritismo se destoa um tanto de certos conceitos da filosofia mundana. É que Kardec não fora um filósofo propriamente falando; fora sim, um pesquisador do fenômeno mediúnico que, com as armas do critério e da observação, ou seja, da Ciência mesma, provara a imortalidade do Espírito humano. Logo, pelos dados de sua pesquisa, Kardec fundara a Ciência Espírita; e, da interpretação dos referidos fenômenos, originara-se a Filosofia Espírita; e, como conclusão de tais, chegou-se às suas conseqüências morais: à Religião Espírita, ou seja: a Religião em Espírito e Verdade.

Ao contrário de Kardec, os filósofos acadêmicos estão alheios à pesquisa científica, conquanto tome de tais conquistas para, com o pensamento que se debruça sobre si mesmo, produzir formas atualizadas da cultura no Mundo terreno.

Diga-se, outrossim, que se compararmos a Filosofia acadêmica com a Filosofia Espírita, esta, com seus dados de notória racionalidade, e lógica formal, está muito além daquela outra, pois se firma e se estabelece por pensadores já desprovidos da indumentária carnal, e, portanto, já isentos da ignorância e dos preconceitos humanos que muito limitam seus pensadores no tocante à verdadeira Filosofia: a Cristã. (Vide: “OLE” – AK – 1857 – Ide).

Assim, pois, nota-se que o Espiritismo, de tal ponto de vista, ou seja: Filosófico, se distancia dos pensadores céticos e arrogantes que, em sua falácia se constituem, na verdade, como sofistas do pensamento e da mais esclarecida razão, tais como Nietsche no Século 19, Sartre no Século 20 e outros mais; tais filósofos, munidos de argumentos capciosos, pretendem destoar a Verdade em favor da mentira, trocando esta por aquela, como se tal fosse possível.

São cegos conduzindo cegos! 

Diga-se, ainda mais, que a moderna Filosofia Espírita (FEsp), como Instrumento da Verdade, se prende (=c=) à Doutrina de Sócrates e de Platão, observando-se, mais ainda, sua estreita ligação (=c=) com o Cristianismo, mas não o dos homens, e sim: da Doutrina Universal do Cristo Nazareno:

[(Sócrates/Platão) (=c=) (Fesp) (=c=) (Cristianismo)]

Que, historicamente, e em graus sucessivos de ampliação e complexidade (-->) de seus ensinos no curso do tempo evolutivo, temos:

[(Sócrates/Platão) ---> (Cristo) ---> (FEsp)]

Articulista: Fernando Rosemberg Patrocinio
Coordenador de Estudos Doutrinários, Palestrante e Autor de diversos e.Books gratuitos em seu blog:
fernandorpatrocinio.blogspot.com.br


0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home