.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

QUEM FALA O QUE QUER...

Nota de esclarecimento: 
“O artigo abaixo trata-se do exercício natural do direito que cada qual tem de pensar por si mesmo e de abraçar os pontos de vista que lhe parecem os melhores. Não me compete censurar opiniões, ainda mesmo que eu, Jorge Hessen, não defenda pessoalmente as concepções de Pietro Ubaldi. 
Assim, deixamos aos leitores do meu blog em O Rebate o encargo de analisar tudo quanto o autor expõe ou sugere a seguir, pois o mesmo direito que tem o articulista de argumentar , temos todos o mesmo direito de refutar , de aceitar, ou não, os seus argumentos.” 



O que é Lei de Causalidade, ou, então, em sinonímica, o que é Lei de Causa e Efeito? Dizem por aí que: Não Há Efeito Sem Causa, é a mesma coisa?


Sim, sem dúvida que sim!

A Lei de Causalidade explicita que: Não Há Efeito Sem Causa; ou seja: desde que um efeito se torna patente, algo, ou, alguma coisa, ou uma causa primordial, o teria gerado.

Em suma, e, de modo simples, temos o Planeta Terra com suas inumeráveis leis, sejam elas de rotação, de translação, de precessão dos equinócios, de evolução de todas as coisas, e etc., etc.; ora, se o Planeta Terra e tudo o mais que lhe diga respeito, existe, tal existência é um Fato, ou, um Efeito que resultara de Algo que o tenha pensado, arquitetado e materializado. No caso em questão, o Planeta tem uma Causa, uma Origem que, para nós, elementos bem pensantes do Espiritismo kardequiano, a Causa está em Deus, no Criador, e não se pode fugir disto, a não ser que se negue a Lei de Causalidade.

E o fato é que nós, os espiritistas, estudamos tudo, aprendemos tudo, para de tudo extrair o que houver de melhor, pois tal sentença deriva do Espiritismo mesmo ao proclamar com o renomado codificador que:

“Aqueles que querem tudo conhecer de uma ciência, devem necessariamente ler tudo o que está escrito sobre a matéria, ou, pelo menos, as coisas principais, e não se limitar a um só autor; devem mesmo ler o pró e o contra, as críticas como também as apologias, iniciar-se nos diferentes sistemas a fim de poder julgar por comparação”. (Vide: “O Livro dos Médiuns” – Allan Kardec – 1861 – Ide).


E o tempo decorrera célere de Kardec aos nossos dias. Hoje, pela Internet, temos às nossas mãos uma quantidade enorme de informações sérias, outras, nem tanto, sendo tal veículo, nos presentes dias, o mais importante meio de comunicação e de informação, levando alguns estudiosos da questão a proclamar que, um dia, provavelmente, o livro impresso em papel deixará de existir, pois que tudo haverá de registrar-se no mundo virtual e informativo da cibernética que, para alguns, dentre os quais me incluo, não mais conseguem viver sem o computador.

E, por isto, com tanta informação ao nosso dispor, fuçamos em tudo, lemos de tudo, porém, objetivando sempre: o que há de mais sério e confiável, para de tais se extrair o que houver de melhor. E o Espiritismo está na Internet, neste poderoso meio de veiculação das idéias imortalistas e fico feliz por vê-lo difundir-se universalmente mostrando a realidade do Espírito, da Palingenesia, da Mediunidade, da Lei de Causalidade, da Pluralidade dos Mundos Habitados, em suma: da Lógica Racional de Seus Postulados que inclui, evidentemente, bem como, primordialmente, a Existência de Deus Como Inteligência Suprema e Causa Primária de Todas as Coisas. 

E, como é óbvio, hoje temos virtualizado na Internet, até mesmo o blog de um Espírito, o denominado “Blog do Dr. Inácio”. Nada contra! Ora, quem sou eu para ser contra; temos o livre arbítrio e, portanto, somos livres pensadores, livres divulgadores, e tudo quanto fizermos pelo Espiritismo é válido, desde que não o desvirtuemos com nossas mazelas, incoerências, mentiras e tolas pretensões. Portanto, não sou contra quaisquer divulgações, e ainda aí vale a sentença: Não há Efeito sem Causa. Isto porque, em curiosíssima matéria divulgada em tal blog citado, que fora postada em 07/04/2014, de título “Vamos Contar”, o referido Dr. Inácio descreve o comportamento de certo indivíduo que, um tanto ofendido, procurara o seu médium para transmitir-lhe na cara que:

“Estou aqui para lhe fazer severa advertência sobre os livros que você vem escrevendo sobre Chico Xavier, todos eles apócrifos... Inclusive este aqui: O Evangelho de Chico Xavier...”. (Vide: “Blog do Dr. Inácio”).

E os relatos de tal situação vão um tanto mais longe, de modo grotesco, algo desconcertante, ridículo e risível, como anticristão de ambas as partes, como se pode conferir no referido blog.

Resumindo: mesmo aí, em tal caso, verifica-se a aplicação plena e absoluta da Lei de Causa e Efeito a que todos nós indistintamente estamos sujeitos. Ora:

QUEM DIZ O QUE QUER (os Livros do Dr. Inácio = Causa),

OUVE O QUE NÃO QUER (do Tal Fulano = Efeito).

Portanto, confirma-se que: 

A toda ação corresponde uma reação, de mesma intensidade, porém, de sentidos opostos; lei física igualmente aplicável ao mundo moral.




Articulista: Fernando Rosemberg Patrocínio


VISITE OS BLOGS: 







0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home