.

terça-feira, 15 de abril de 2014

CONHECIMENTO ESPÍRITA E MAIS ALÉM

Nota de esclarecimento: 
“O artigo abaixo trata-se do exercício natural do direito que cada qual tem de pensar por si mesmo e de abraçar os pontos de vista que lhe parecem os melhores. Não me compete censurar opiniões, ainda mesmo que eu, Jorge Hessen, não defenda pessoalmente as concepções de Pietro Ubaldi. 
Assim, deixamos aos leitores do meu blog em O Rebate o encargo de analisar tudo quanto o autor expõe ou sugere a seguir, pois o mesmo direito que tem o articulista de argumentar , temos todos o mesmo direito de refutar , de aceitar, ou não, os seus argumentos.” 




Fernando Rosemberg Patrocínio


Um dos grandes apanágios do Espiritismo está no fato de que o mesmo, em sendo Lei da Natureza, se pode confirmá-lo na prática cotidiana de nossas vidas, onde tal prática, pois, confirma a teoria exposta constituindo a mais completa e mais abrangente revelação dos tempos hodiernos.

Portanto, tudo quanto se passa em nossas vidas tem indubitável relação com o Espiritismo, ou seja: se vivemos por viver, sem ater-se a saberes espiritistas mais aprofundados, é óbvio que, da vida, também se estará a fazer suas assimilações, seus aprendizados; entretanto, se tivermos munidos da ferramenta espírita, de seus ensinos e de suas brilhantes teses, teremos facilitado nossos conhecimentos, reunindo teoria e prática retirada do próprio laboratório terreno, dos diversos planos da natureza, que a tudo confirma do Espiritismo.

Neste aspecto, pois, trabalhamos e confirmamos o Espiritismo cotidianamente, na prática viva de nossa existencialidade, onde somos cientistas e filósofos, moralistas e cristãos num conjunto harmonioso de ser e de viver, experimentando fatos e problemas do dia a dia que, sem dúvida, revela-nos a Verdade e o Universalismo de tal Doutrina, sendo esta, pois, uma de suas mais importantes características e propriedades. Tudo quanto estudamos e aprendemos do Espiritismo, se pode, portanto, em nosso cotidiano confirmar. Deverá ser por isto, pois, que nós, os espiritistas, temos no mesmo uma certeza e uma fé inabalável, uma convicção firme e duradoura, construída na rocha granítica da positividade experiencial. 

A vida, portanto, nesta visão mais ampla das coisas, é o próprio laboratório do cientista e filósofo espírita que, como homem comum, com humildade e desprendimento, vive e convive com tal realidade: liberta de preconceitos acadêmicos, de teorias infundadas, de céticas argumentações.

O seu mestre, pois assim, não é mais o homem falível e pretensioso, mas sim o Mundo inteiro, a Vida, a Natureza, e por que não, o Universo de infindáveis perspectivas, mistérios e ensinos, dos quais temos, para sempre, uma imortalidade toda para assimilar, aprender e regozijar.

Existem coisas, pois, que nossos pais, nossos professores terrenos não podem nos passar; existem coisas, pois, que o livro, seja ele qual for, não tem como nos ensinar; coisas que devem, por conseguinte, serem adquiridas por nós mesmos, nosso próprio labor, viver e experienciar, nos concedendo, mais adiante, a tão sonhada sabedoria, inspirada na Divina Sabedoria de Deus Pai, nosso Amoroso Criador.

Assim, quero crer que a educação diversamente recebida, bem como o conteúdo do livro terreno, e, sobretudo do livro espírita são deveras importantes em nossas vidas; mas também aposto na conjectura de que existam coisas que só a dinâmica do viver, do existir e do experimentar possa interiorizar no Espírito um conhecimento e uma sabedoria que nossos pais e nossos mestres não nos podem dar: que é a Sabedoria mesma do Divino Criador, do qual somos apenasmente imagem e tão apoucada semelhança.

Assim, o Espiritismo é uma base importantíssima do saber humano e espiritual; entretanto, na medida em que se vão fazendo novos progressos no campo íntimo do Espírito, do desabrochar de suas tantas potencialidades e, sobretudo, no vasto campo da mediunidade, vai Ele engajando, naturalmente, ás idéias do belo, do que seja, cognitivamente, e eticamente mais correto, onde o Ser direciona-se para o Divino e Sumo Bem, ou seja: para o Amor, nossa busca natural do Divino que há em nós, nossa sede do Perfeito, do Belo e Transcendental.

Ora, somos provenientes de um Soberano Ato de Amor! E creio por isto que, mesmo autorizando a dor, Deus sofre conosco, nos Amando na Infinitude do que É.

E o Evangelho de Jesus - Enviado de Deus, é a Norma Por Excelência, aplicada e vivenciada no Universo inteiro, Físico e Espiritual, ou seja, em toda a sua abrangência cósmica nos permitindo aderência à Lei, à Verdade, hoje consubstanciada pelas vozes proféticas de nossos maiores, os Altíssimos de Infindável Espiritualidade, que estiveram com Kardec e com tantos outros Luminares da Humanidade.

Nossa característica terrena, pois, é ainda provacional; mas confiamos nas promessas de Jesus de que, um dia, seu Evangelho haverá de espalhar-se por todas as nações criando a real perspectiva de um Mundo melhor, pacificado e justo, onde seus ensinos constituirão prática cotidiana de todos nós, encarnados e desencarnados de uma mesma humanidade, ora aqui, ora acolá, se sublimando o Espírito como centelha anímica de todas as formas físicas, perispiríticas e mentais.


VISITE OS BLOGS:

http://conceitoespirita.blogspot.com.br

http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br

http://anselmodapaz.blogspot.com



0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home